No centro do Isolamento
Sábado, 5 de Março de 2005
Calvária
Quem foi que falou por aqui?
Que olhar vidrou nestas orbitas vazias?
Quantos beijos, quantos suspiros surgiram
Por estas janelas minerais?
Que alma foste e que vias
Quantos amores te prenderam
O sorriso eterno e os demais
Sentimentos que te habitaram?

Serias terno ser ou então apenas
Mais um que entre os normais
Se empoeirou com a morte.
Neste molde de pedra
Fica o vazio
O ar que surge em cada corte
Sobre este leito onde restas frio.

Ninguém olha
Ninguém lembra tão má sorte
Ser-se instrumento inanimado
De ciência
Do saber acumulado
Que nada impede o desnorte
De lembrar que sentidos e sensações
Não passam de pó adiado.


publicado por V. Pimenta às 16:02
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito

Terça-feira, 1 de Março de 2005
Dias de Fim, Noites de que me esqueço... (Parte 6)
Imagem(038).jpg

VI

(...)

Tento eu versicular meu desespero
Cúmplice e fiel companheiro
O único com quem acordo
Do sono que não descansa
Deste descanso passageiro
Onde só em sonhos me amansa.


publicado por V. Pimenta às 13:58
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Foz

momentâneos

Turvo

Turbilhão de nada

iguarias

A QUÍMICA E A FÍSICA DOS ...

Efémera

Excertos

Sentenças...

...

arquivos

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Novembro 2004

Outubro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds