No centro do Isolamento
Quinta-feira, 24 de Fevereiro de 2005
Dias de Fim, Noites de que me esqueço... (Partes 4e 5)
xures.jpg

IV

Nasceu em desejo impuro
Alterno
Indigente
O sentimento que de aparente
Só tem o carimbo eterno.

E quantos de nós não amam
Quantos de nós não sucumbem
Em poses de morte que deslumbrem
Os felizes que por aqui andam.

V

A noite vai longa
Surge a chuva que tanto tardava
Nem penso sequer que a água
Alimente o rio que em mim secava.

Só tu …
Só tu e os outros que festejam a chuva
Poderão sorrir amanhã.
Meu leito desviado
Qual pouco sangue sugado
Não chegará de manhã.

Que cresçam outros então
Que me substituam a mim
Alma perdida, escriba só neste serão
A contar os dias do fim.


publicado por V. Pimenta às 12:59
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Terça-feira, 22 de Fevereiro de 2005
Dias de fim, Noites de que me esqueço... (Parte 2 e 3)
se.jpg
II

Nascem outros dias
Felizes uns, tristes outros
Tão bipolares quanto eu.
Azuis, claros, luminosos
Nublados sob o céu
Esquecidos desde cedo
Estranhos
Inconstantes
Momentos perdidos no começo
Noites de que me esqueço
No suceder dos instantes.

III

Ode clamorosa e divina
Hino moroso e pleno
Que me deixas em surdina
Qual serpente que encanta
O corpo que alucina
Na agonia do veneno.





Frases homéricas que soltam meus lábios
Dedos que falam aqui
De um olhar que lacrimeja
Sempre que falo de ti.


publicado por V. Pimenta às 18:04
link do post | comentar | favorito

Sábado, 19 de Fevereiro de 2005
Dias de Fim, Noites de que me esqueço
I

Onde estamos tu e eu?
Onde? Em que lugar nos quedamos perdidos
Intransigentes
Mal entendidos?
Nem sei que sentes
Nem teus braços estendidos
Nem sombras nem gentes
Te explicam
Me esclarecem a mim
Este rodopiar de desencontros
Em dias de fim.

Separados?
Nunca…
Talvez só um pouco
Ou nada ou sempre…
Nunca mais!
Talvez amanhã
Talvez hoje.
Deslizes de amor diferente
Que tanto me abraça como me foge.


publicado por V. Pimenta às 22:11
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Terça-feira, 8 de Fevereiro de 2005
Poemas imperfeitos
cab.JPG
Os dias passam
E a meu ver
Nada muda, nada é novo aqui.
Estou farto do mesmo céu
Apetecia-me queimar tudo meu.
Desperdiço meu tempo
Mais um momento que passa
E a perder
Nem sexo nem nada
Já não sou o homem interessante
Que costumava ser.

Degrada-se a importância
Com esta desaparição.
Fundido estou com estas almas normais
Pobres espíritos
Felizes, que estais no Céu.
Já estou farto, estou-me a perder.
Já não sou o homem interessante
Que costumava ser.


publicado por V. Pimenta às 23:05
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Foz

momentâneos

Turvo

Turbilhão de nada

iguarias

A QUÍMICA E A FÍSICA DOS ...

Efémera

Excertos

Sentenças...

...

arquivos

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Novembro 2004

Outubro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds