No centro do Isolamento
Terça-feira, 23 de Novembro de 2004
Vento frio
Morro sob um vento frio
Cada dia que amanhece.
Vulto na rua
Fujo aos dias, às horas
Aos minutos em que me aparece
O devaneio de loucura
Que a minha alma arrefece.

Não sei se não sofro
Se não sinto.
Se não sente
O meu coração dormente,
O gume frio que lhe atravessa,
Que me retalha o ventre.

Palavras pesadas que carrego
Em meu peito
E esta gente
Passa e sorri
Mal sabem do fogo que trago adormecido,
Pendente…
Com que vagueio por aí.


publicado por V. Pimenta às 15:54
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Foz

momentâneos

Turvo

Turbilhão de nada

iguarias

A QUÍMICA E A FÍSICA DOS ...

Efémera

Excertos

Sentenças...

...

arquivos

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Novembro 2004

Outubro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds