No centro do Isolamento
Sábado, 26 de Junho de 2004
Sombras no futuro
O resto do tempo é um incógnita certeza para mim
Não sei se me espera um contínuo de felicidade
Não sei se desapareço, se permaneço
Seguro e arrogante,
Se me degenero e desaparece
O menino prodígio que sobre os meus ossos floresce.

E escrevo para exorcizar o negativismo que esquenta
Debaixo da minha pele de alegre
A corrosão da minha atordoada existência.

Um ou outro.
Um de mim estará longe
E vai-me secar o corpo e a mente...

Uma carcaça que ali se desvanece
O fim de um trilho, o herói que apodrece...


publicado por V. Pimenta às 14:54
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Cela
Estranho o eu que já não fala
O fumo mudo que se esvaiu à minha frente....
Sou mais um no meio desta gente
Que se vê orgulhosa neste êxtase intermitente.

Os dias crescem e eu morro diminuto
Como que a noite me estreitasse a vida com ela.
Uma alma vendida, a minha
Um sopro fraco nesta imensa cela
Um amor no nada, absoluto....


publicado por V. Pimenta às 01:47
link do post | comentar | favorito

Domingo, 6 de Junho de 2004
Metamorfose no silêncio

bye.jpg






Digo adeus a um modo de vida que me transformou. A metamorfose que já há muito deveria ter esquecida. Tanto por tão pouco e tão bom que foi saber-me misterioso mas quem se despe deixa de ter interesse.


Abro os braços para que me leves. Tira-me este louco de dentro de mim pois o génio já se esgotou. Agora são estilhaços de um todo que não é nada, já nada trás de novo...


Agora... Quero descansar o corpo e o ego.



publicado por V. Pimenta às 01:46
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Sábado, 5 de Junho de 2004
Mais um amanhecer
Um amanhecer que é o fim do dia
Um acordar em sobressalto...
Com uma ventania que não deixa perceber quem fala

Sou um misto de Apolo e Marte
Enquanto se ri Baco.
Uma mente quente, louco enamorado
Que desfaz um mundo há muito tempo sustentado
Por um jogo e uma harmonia monótona.

Só me sinto o caos e o fim
O início de um novo entrelaçar de almas

Mas nesta ponte nova sobre ponte corroída
Já te perdi.
E nesta vida
O meu motivo deu-me e levou-me a calma adquirida


publicado por V. Pimenta às 17:03
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Foz

momentâneos

Turvo

Turbilhão de nada

iguarias

A QUÍMICA E A FÍSICA DOS ...

Efémera

Excertos

Sentenças...

...

arquivos

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Novembro 2004

Outubro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds