No centro do Isolamento
Quinta-feira, 26 de Fevereiro de 2004
Segredo
Sábios os que se deixam enganar
Alheando-se da realidade
Pois não tormentam a vida
Para compreender a verdade
Que surge punidora e exigente
Com quem ousa pensar,
Numa vã luta impotente
Que nos faz asfixiar.
E o medo,
O medo é tomento e desassossego
Só a morte revela o segredo.


publicado por V. Pimenta às 18:15
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito

Nada
Tenho as mãos cheias de nada
Peso bruto de ilusão
De uma mente enganada
Pelo vazio no coração.
O sangue concentrou-se no peito
E as extremidades frias
Vão-me gelando os dias
Por ainda nada ter feito


publicado por V. Pimenta às 18:10
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Quinta-feira, 19 de Fevereiro de 2004
Ao Martinho
Perturbante a surpresa
Quando o abandono é súbito
E ficamos sem a certeza
Se o desejo é fortuito.
Mas descubro-te o intuito
De te ergueres noutra fortaleza
Onde cravarás nas tábuas
A tua poesia de cigarro
Palavras entupidas de catarro
E a rouquidão das tuas mágoas

VP


publicado por V. Pimenta às 14:16
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito

Segunda-feira, 16 de Fevereiro de 2004
Três Poemas de Egoísmo ou Os Versículos de Homicida

I

Não consigo tirar da memória
Teu assombroso olhar
Metáfora de pesadelo de Holocausto
De condenado judeu.
A presença da tua figura endeusada
De quem me atrai como cio animal
Fustiga-me as curvas do cérebro
Como castigo de pecado carnal.
Mas não fujo de tal chicote
Pois anseio esse prazer
Do momento de bonança após investida
Do olhar maligno
Dos dentes cerrados
Como com ódio de mim
Como com amor para me ver sofrer


II

Não queiras escapar do monstro
Que te invade por dentro
Se é que te assusta a moral
Pois não importas que ele te devore.
Apenas gritas numa tortura hipócrita
De quem não quer, querendo
De lágrimas de prazer que escondes
Numa máscara de dor.
Se não te alimentas de amor
Sorves o néctar líbidal
Que te nutre a alma
E eu sou violador e violado
Pois quem é juiz neste processo ingrato
É a tua consciência de carne
Ou mesmo se não possuis piedade


III

Os meus passeios
São pesadelo de lembranças
Quando a água é-me espelho
E me olho.
Choca-me o que te fiz
No entanto não me consigo arrepender.
Caíste-me nos braços
E como que se não tivesse pedido por ti
Aceitei-te com laxismo
O amor temporário do desejo
De te ter como posse efémera.
Suguei-te e despejei-te a carcaça vazia
Agora quero que apodreças feliz
Pois convenço-me de que tiveste o privilégio
De ser apunhalada por mim

VP 2003/2004


publicado por V. Pimenta às 16:46
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Quinta-feira, 12 de Fevereiro de 2004
Fim de dia
Sinto-me velho
Não o sendo
Pois não me poupas
A hesitância
E assim vou-te perdendo
Ainda que menor seja a distância.

O dia faz-se tarde
Numa penosa lembrança
De quem se julgava abastado em tempo,
Mas as veias calcificadas
São sinal de que não te tenho
E vou enrugando o rosto
Em expressões de desespero,
Convenço-me de que não te quero.
Entrego a alma ao mosto
Com o corpo abnegado
Como se embriagado
Anestesiasse o desgosto.


publicado por V. Pimenta às 11:56
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Quinta-feira, 5 de Fevereiro de 2004
Casa vazia
A minha cama
É leito frio
De pés gelados
Espasmos de alma
Onde cheio de medo
Durmo com o vazio.
Casa enorme
Lar de penumbra
Do eco sombra
De silêncio nobre.
E tenho terror ao tédio
Filho forçado da solidão
E sinto-me um velho
Sujo que tresanda a isolamento
A puxar lagrimas a cada momento
Preso de pensamento
Confinado à televisão.
Vale-me o corpo jovem
E as pernas que me levam
Da angustiante clausura
Livre da firme mordedura
Do sono prolongado


publicado por V. Pimenta às 18:45
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Segunda-feira, 2 de Fevereiro de 2004
(sem título)
Conto dias difíceis
Quando adio definir-me
E vejo fugir-me
A areia entre os dedos.
Sou corrompido por medos
Que construo na ilusão
Mas sobra-me a dor no coração
De me saber amado em segredos.
Pena que só embriagados
Nos revelemos amorfos
De uma vontade de outros
Que nos vai castrando os esforços.
No entanto não sossego nem durmo
Com a ansiedade hesitante
E vai morrendo o amante
Em insónias e terror nocturno.
No entanto os dias surgem
E nada me trazem de novo
Apenas renasce a miragem
De não se extingir este fogo


publicado por V. Pimenta às 15:52
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Foz

momentâneos

Turvo

Turbilhão de nada

iguarias

A QUÍMICA E A FÍSICA DOS ...

Efémera

Excertos

Sentenças...

...

arquivos

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Novembro 2004

Outubro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds