No centro do Isolamento
Sábado, 25 de Junho de 2005
THEATRUM
theatrum1.jpg


Não esqueço
Não sinto entretanto
Se acabará meu pranto
E a solidão
Este castigo, que se calhar mereço.

Os dias são gumes
Que talham a minha face que envelhece
Cada amor que me escapa
Cada acto que de mim aparece.

Sobre mim
(Actor confuso
De personagem ambígua
De gestos repetidos em extremos)
Nada sobra para quem aplaude
Pois de choro e riso já se enchem os demais
Ficam fartos de tantos espectáculos iguais…


publicado por V. Pimenta às 01:40
link do post | comentar | favorito
|

1 comentário:
De Anónimo a 28 de Junho de 2005 às 20:10
o confuso tb faz parte de nós, há q saber lidar c ele.João Rodrigues
</a>
(mailto:agaetis@sapo.pt)


Comentar post