No centro do Isolamento
Sábado, 13 de Maio de 2006
Foz

Findaram-se as correntes de mágoas vãs numa torrente ainda maior.


Findou-se o rio que desagua, secundário e afluente de um outro maior, num redemoinho submerso.


Findou-se o sofrimento e o prazer exposto, as palavras e a saliva gastas por uma erosão de egos insignificantes.


Morre a madeira e a coluna de água esquisita, horizontal, que passa desapercebida e se funde, que desaparece no nada, longe de vilas de ignorância em suas margens, fundida num corpo maior, despercebida e aglutinada, a banhar muralhas de cidades mais importantes.


Findou-se.



publicado por V. Pimenta às 00:17
link do post | comentar | favorito
|

1 comentário:
De 28rapaz28 a 12 de Agosto de 2006 às 14:01
ve meu blog


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Foz

momentâneos

Turvo

Turbilhão de nada

iguarias

A QUÍMICA E A FÍSICA DOS ...

Efémera

Excertos

Sentenças...

...

arquivos

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Novembro 2004

Outubro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds