No centro do Isolamento
Segunda-feira, 16 de Agosto de 2004
Desisto
Desisto...
Desiludes-me tanto quanto eu te desiludo...
O teu mundo é um caos de orgulho
Um cais de lodo
Onde aportam os mesmos anseios
O mesmo entulho...
Um concílio de conformados
Corpos tristes
Defumados
Por um sem fim de amores acovardados.

Esses receios...
Que tive eu, como viste
Meus olhos resistiram molhados.


publicado por V. Pimenta às 21:28
link do post | comentar | favorito
|

4 comentários:
De Anónimo a 7 de Outubro de 2004 às 10:27
o poema é muito bom
1 beijo para tiBruno Francisco Correira de Oliveira
(http://WWW.bfrancisco.blogs.sapo.pt)
(mailto:broliv@hotmail.com)


De Anónimo a 23 de Agosto de 2004 às 14:44
K bom chegar d férias e voltar aki... Lindo...Teresa
</a>
(mailto:)


De Anónimo a 17 de Agosto de 2004 às 23:41
tá giríssimo, mas pela centésima vez... não se pode desistir, é cliche mas é verdade.
</a>
(mailto:)


De Anónimo a 17 de Agosto de 2004 às 15:43
Percebi.João da Cal
(http://www.syncope.blogspot.com)
(mailto:teoriazero@hotmail.com)


Comentar post