No centro do Isolamento
Segunda-feira, 3 de Janeiro de 2005
Galeria
Não há sonho que a realidade não desfaça
Num acordar…
A gravata que no meu pescoço enlaça
Neste constante sentido
A confusão que me encaminha
Retido
Neste corredor de um caminho só.
Por muito que fique estanque
Há alguém que me empurra
A uma porta final que me aguarda
Em frente.

Se é esta vida
Uma galeria de uma visita só
Quero-a guardiã dos melhores quadros
Obras de arte, os meus momentos
Bons e maus
Dignos de expor
Perdidos alguns quando a minha mente se tornar pó.


publicado por V. Pimenta às 16:39
link do post | comentar | favorito
|

4 comentários:
De Anónimo a 31 de Janeiro de 2005 às 10:57
Passo só para dar os Parabéns ao Tâmega pelo ano de existência!
Parabéns!!!
Um abraço.João da Cal
(http://www.syncope.blogspot.com)
(mailto:joaodacal_syncope@hotmail.com)


De Anónimo a 23 de Janeiro de 2005 às 19:29
Tâmega é o nome de um rio que corre na minha região e que banha de misticismo todo um modo de vida que alimenta. ao mesmo tempo parece que ninguém dá por ele, as margens são traiçoeiras e dizem as lendas que as suas águas se alimentam de vidas humanas.Vitor Pimenta
</a>
(mailto:)


De Anónimo a 22 de Janeiro de 2005 às 17:45
Excelente Poema!
Gostei do seu Blog. Permita-me colocar-lhe um questão, porquê o nome "Tâmega".
Também escrevo Poesia, tendo um livro publicado em 2004, caso queira saber algo mais sobre o meu trabalho, fica aqui o modo de o fazer.
Parabéns. Cumprimentos.M. Céu
(http://www.maisquepalavras.blogs.sapo.pt)
(mailto:ariaceucosta@sapo.pt)


De Anónimo a 7 de Janeiro de 2005 às 13:51
Excelente quadro! Inspirado outra Vez!! Sim Senhor!
Keep Going!
Um abraço.João da Cal
(http://www.syncope.blogspot.com)
(mailto:joaodacal_syncope@hotmail.com)


Comentar post