No centro do Isolamento
Sábado, 13 de Maio de 2006
Foz

Findaram-se as correntes de mágoas vãs numa torrente ainda maior.


Findou-se o rio que desagua, secundário e afluente de um outro maior, num redemoinho submerso.


Findou-se o sofrimento e o prazer exposto, as palavras e a saliva gastas por uma erosão de egos insignificantes.


Morre a madeira e a coluna de água esquisita, horizontal, que passa desapercebida e se funde, que desaparece no nada, longe de vilas de ignorância em suas margens, fundida num corpo maior, despercebida e aglutinada, a banhar muralhas de cidades mais importantes.


Findou-se.



publicado por V. Pimenta às 00:17
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Sexta-feira, 14 de Abril de 2006
momentâneos
joel santos.jpg

Falam-me nos epílogos e entrelinhas
Dos viveres e estados de alma
Da sedução dos sentimentos momentâneos
Que se findam precoces
Com o fim dos prazeres sucedâneos

Não se seguram em mim
Outros sentimentos que me renovem
Que mantenham alto e sustentado
Longe de um coração amordaçado
Preso entre a cela de ossos.

Salta antes e bate confuso
Entre sangue velho e renovado
Jorrando velhos e novos pecados
Entre mentiras meias e abuso
Na incerteza, abafado




Foto de Joel Santos


publicado por V. Pimenta às 18:27
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

Sexta-feira, 24 de Março de 2006
Turvo
turvo.JPG

Já não escrevo em mim
Outras razões que não a mesma
Já nem sei se olho com a mesma clareza
Tão turvo que se tornou meu fim

Não penso sequer
Em passado nem futuro
Apenas num espelho baço
Vislumbre de claro e de escuro

Bailo antes contigo e em ti
Numa torrente de suor que inflama
Tua mente e a minha na ilusão louca
De palavras que de ti saem
E que tento calar com minha boca...



publicado por V. Pimenta às 18:50
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 12 de Março de 2006
Turbilhão de nada
turbilhao.jpg


Vivem-se dias de confusão
Onde não há mundo que não se desfaça
Onde a certeza se constrói em solo movediço
E se vai perdendo afundada
Num endurecer de enguiço
Em todo um turbilhão de nada.

Assim se monta e desmonta
Um coração em mil andaimes
Seguro sobre uns e outros tantos
Fonemas e idiomas distantes
Perpetuando-se o teatro de desencantos
Em olhares que se procuram por instantes…


publicado por V. Pimenta às 03:38
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Domingo, 26 de Fevereiro de 2006
iguarias
Mostraste-me, meu amor
O teu corpo em iguarias
Tantas como as vezes que me sorris.

No frio de uma noite que depressa finda
Enrodilhámos nossos corpos num desespero de despedida
E depressa se ergueu um Sol de espera
De dias infindáveis que vão para além do seu pôr
Para que a coberto de uma noite de cumplicidade
Te volte a olhar a alma, meu amor…


publicado por V. Pimenta às 13:43
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Sábado, 18 de Fevereiro de 2006
A QUÍMICA E A FÍSICA DOS PENSAMENTOS
cerebro2.jpg


Assusta-me o bailar dos químicos
Das proteínas e dos átomos
Ácidos e anti-eméticos
Toda uma música de acaso.

Assustam-me os impulsos eléctricos
O fluxo de iões
Os abraços dos neurónios
As digitações dos axónios

Assustam-me as hormonas
E a corrente sanguínea
ASSUSTAM-ME A QUÍMICA E A FÍSICA DOS PENSAMENTOS
A biologia dos sentimentos
Tão diminuídos e ocasionais que são
Que nenhuma alma existe
Se não nas moléculas que falam à sorte
Quando se tocam por momentos…


publicado por V. Pimenta às 19:08
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 6 de Fevereiro de 2006
Efémera
Apercebe-se intrigada
A mente
Da velocidade do passar do anos
Que tão rápida se torna
Que se me questiona
Se o tempo chega para deixar marcas.

Os homens sucedem-se intempestivos
Entre mortos e nascidos
Desde novos condenados
A um tempo a cada hora minguante
Que limita o abrir das asas.

E passa e se esgota o tempo
Sem eu ver nada de novo de mim em outros
Se não a escrita cutânea dos dias
Tão impiedosa quanto bela
E com ela efémera nos tornamos
Se nada cravarmos na mente dos homens...


publicado por V. Pimenta às 19:59
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 29 de Janeiro de 2006
Excertos
"Desfaz-se a alma em migalhas do nada que sou
Do insignificante ser minguante
Que o amor me tornou"


24 De Maio de 2005 - Braga


publicado por V. Pimenta às 21:38
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 21 de Janeiro de 2006
Sentenças...
trunks2.jpg

Falam-me os dias sob a sombra de gigantes de nevoeiro
Dizem nada...

Adiam-se sonhos que se estreitam com as horas que me restam…
Muitas certamente
Mas muitas também as que se perderam….


publicado por V. Pimenta às 15:02
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Domingo, 15 de Janeiro de 2006
...

Perdi-me teimoso num mar de ilusão, mas hei-de descobrir-te de novo…



publicado por V. Pimenta às 15:35
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Foz

momentâneos

Turvo

Turbilhão de nada

iguarias

A QUÍMICA E A FÍSICA DOS ...

Efémera

Excertos

Sentenças...

...

arquivos

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Novembro 2004

Outubro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds